An occasionally irregular blog about orthodontics

O Invisalign é mais confortável do que os aparelhos fixos: Um estudo clínico

By on September 26, 2017 in Portuguese with 0 Comments
O Invisalign é mais confortável do que os aparelhos fixos: Um estudo clínico

O Invisalign se tornou um método reconhecido de tratamento ortodôntico. Porém, existem poucos estudos sobre a sua efetividade. Esse novo estudo observou se existe menos desconforto com o Invisalign comparado aos aparelhos fixos.

A Angle Orthodontist publicou e um grupo do Texas fez o estudo.

Discomfort associated with Invisalign and traditional brackets: A randomized, prospective trial

David White et al

Angle Orthodontist: On line DOI: 10.2319/091416-687.1

Eles fizeram o estudo para responder a seguinte pergunta:

“Existe alguma diferença no desconforto relatado pelo paciente produzido pelo Invisalign e pelo aparelho fixo?”

Eles também observaram o uso de analgésicos e os distúrbios do sono.

O que eles fizeram?

Eles recrutaram uma amostra de pacientes que eram de um estudo já existente. O cálculo do tamanho da amostra mostrou que seriam necessários 16 pacientes em cada grupo. Eles avaliaram 240 pacientes e obtiveram uma amostra final de 41. A PICO foi:

Participantes: Pacientes adultos com Classe I de caninos e molares com apinhamento de menos de 1 mm, tratados sem extrações;

Intervenção: Invisalign;

Controle: Aparelhos fixos;

Desfechos: Desconforto relatado a partir de diários de dor.

Eles coletaram os dados dos resultados por 7 dias após a colocação dos aparelhos. Em seguida eles repetiram isso por 4 dias após as consultas subsequentes aos 1 e 2 meses.

Infelizmente, eles não deram nenhuma informação sobre a randomização, geração de sequência, ocultação ou “cegamento”. Como eu já expliquei anteriormente, isso é um grande problema.  Isso quer dizer que o estudo possui um alto risco de viés. Entretanto, nós não sabemos a direção do viés.

O que eles acharam?

Eles recrutaram 18 participantes (6 homens e 12 mulheres) no grupo com aparelhos fixos e 23 (11 homens e 12 mulheres) no grupo Invisalign. Desse modo, os grupos ficaram desequilibrados (eu vou discutir isso mais tarde).

Eles produziram uma grande quantidade de dados interessantes. Eu coloquei os mais relevantes nessa tabela:

 DAY 1DAY 2DAY 3DAY 4
Invisalign13.5913.0810.611.31
Fixed appliances26.7928.932.826.85
P0.130.070.030.02

 

Eles acharam que o padrão geral de desconforto para os 3 pontos de coleta de dados foi similar. A conclusão deles foi:

“Os pacientes no grupo com aparelhos fixos relataram mais desconforto que aqueles do grupo Invisalign”.

Não houveram diferenças reais no consumo de analgésicos ou distúrbios do sono entre os grupos.

Eles levantaram várias boas razões para tais achados. A mais lógica foi que as diferenças na experiência da dor poderiam ser explicadas por considerar que os alinhadores produzem forças intermitentes e podiam ser removidos. Por outro lado, os aparelhos fixos produziam forças contínuas e não podiam ser removidos.

Eles também deixaram claro que o estudo foi patrocinado pela Align.

O que eu pensei?

A minha sensação inicial foi de que o estudo parecia nos fornecer informações úteis. Mas quando eu li com mais atenção, eu fiquei um pouco na dúvida. Isso é porque eu encontrei vários problemas no estudo, que foram:

Eles não forneceram informação sobre o método de ocultamento das alocações de tratamento. Isso é importante, pois os investigadores não deveriam ser capazes de imaginar ou influenciar a alocação do tratamento.

Eles tinham um pouco de dúvida sobre o método de cegamento. O cegamento dos examinadores garante que os dados não possam ser interpretados ou influenciados pelos investigadores, mesmo que inconscientemente.

O problema mais importante foi que os grupos foram de tamanhos diferentes. Eu não consigo entender como isso aconteceu com uma alocação randomizada. Além disso, existiam mais homens no grupo Invisalign do que no grupo com aparelho fixo. Tais problemas sugerem que a randomização não foi efetiva.

Eu só posso concluir que o estudo possui um risco de viés muito alto.

Isso faz diferença?

Agora nós precisamos considerar se tais problemas influenciam a nossa interpretação dos achados. A minha sensação é de que esse artigo tem problemas consideráveis, mas os dados são interessantes.

De qualquer forma, não sou eu quem vai levar a frente a própria opinião sobre o valor de um estudo. Isso depende de você, como um leitor do artigo/post para decidir se os dados são robustos. Seria ótimo se os autores pudessem fornecer mais informação sobre os estudos nas seções de comentários deste post.

Finalmente, os autores deveriam ser parabenizados por conduzir esse estudo. É surpreendente que o Invisalign não tenha sido avaliado em estudos clínicos e é ótimo ver esse estudo.

Traduzido por Klaus Barretto Lopes

Instrutor de Ortodontia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Professor Visitante da Universidade de Manchester, Inglaterra, Reino Unido

 

(Visited 101 times, 1 visits today)

Post a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Top

Pin It on Pinterest